Maragogi cria Grupo Técnico para acompanhar situação das manchas de óleo

O prefeito de Maragogi, Fernando Sérgio Lira, decretou estado de alerta máximo por causa das manchas de óleo nas praias. A decisão foi publicada no Diário Oficial dos Municípios, edição desta segunda-feira (28).

Trabalho de limpeza se concentra nas praias de Peroba, Ponta de Mangue e Antunes (Foto: divulgação)

Maragogi é um dos 12 municípios litorâneos de Alagoas atingidos pelas manchas de petróleo cru. O Grupo Técnico de Acompanhamento (GTA) também foi instituído para acompanhar a situação e propor ações.

O decreto entrou em vigor no dia 23, data da assinatura, e se estende até 23 de dezembro de 2019, a fim de detectar, recolher e encaminhar para destinação ambientalmente correta todos os resíduos de óleo que surgirem no litoral maragogiense.

Grupo Técnico

Também foi criado, por meio do decreto, o GTA que deverá monitorar e promover as ações necessárias para identificar os pontos de ressurgência dos resíduos de petróleo, recolhê-los e encaminhá-los para destinação adequada, segundo os parâmetros legais vigentes.

O secretário municipal de Meio Ambiente de Maragogi, Gabriel Vasconcelos, informou ao Blog da Costa dos Corais que os trabalhos de limpeza se concentram, nesta segunda-feira (28), nas praias de Peroba, Ponta de Mangue e Antunes com o emprego de 40 pessoas.

“As praias estão praticamente limpas, o que resta são refugos trazidos pela maré alta”, afirmou Vasconcelos. De acordo com ele, 499 toneladas de resíduos (óleo e areia contaminada) foram recolhidas até o domingo (27) das praias de Maragogi.

Ainda de acordo com o decreto, os trabalhos de recolhimento dos resíduos de óleo serão considerados prioritários enquanto o Estado de Alerta Máximo estiver em vigor. As solicitações do Grupo Técnico de Acompanhamento devem ser atendidas de imediato por todos os setores do Poder Público Municipal, estabelece o documento.

O GTA elaborará semanalmente Relatório Técnico circunstanciado, com a descrição dos locais em que os resíduos foram detectados, bem como a relação da mão de obra utilizada e os custos financeiros para o desenvolvimento das atividades de remoção da substância.   

A Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos poderá, ainda, convocar voluntários para o trabalho de remoção dos resíduos, devendo ser fornecido a estes os equipamentos de proteção individual necessários ao manuseio da substância tóxica, bem como garantida a realização de exames médicos posteriores, a fim de salvaguardar a integridade física dos participantes da operação de coleta do óleo.

IMA

Na sexta-feira (25), o Instituto do Meio Ambiente (IMA) divulgou a cronologia do surgimento das manchas de óleo no litoral alagoano, bem como as ações desenvolvidas.

Nota do Grupo Técnico de Acompanhamento Estadual também foi publicada no mesmo dia.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s