Pesquisa levanta dados sobre a rede hoteleira de Maragogi

Pesquisa produzida por dois alunos do curso Técnico de Nível Médio Integrado em Hospedagem do Campus Maragogi, pertencente ao Instituto Federal de Alagoas (Ifal), identificou e descreveu os meios de hospedagem localizados dentro e fora da zona urbana do município, considerado o segundo maior polo hoteleiro do Estado, atrás apenas de Maceió.

Conforme o estudo desenvolvido pelos estudantes João Victor Brito da Silva Lima e Álvaro Francisco Lima Silva, sob a orientação da professora Anne Francialy da Costa Araújo, Maragogi possui, na atualidade, 71 meios de hospedagem, entre pousadas, hotéis, hostels e resorts.

A rede hoteleira tem 1.820 unidades habitacionais, que totalizam 4.385 leitos. O estudo aponta que cerca de 70% dos meios de hospedagem existentes em Maragogi, tanto na zona urbana como fora dela, são formados por pousadas.

O Ifal Campus Maragogi vem realizando há anos estudos que procuram suprir a carência de dados sobre o litoral norte de Alagoas. Em 2017, a partir da celebração de um acordo de cooperação técnica com a Prefeitura Municipal e da consequente parceria firmada com a Secretaria de Turismo da cidade, verificou-se a necessidade de estudos direcionados à oferta e à demanda turística da região, posto que a inexistência dessas informações dificulta e até inviabiliza ações no sentido de incrementar o setor turístico.

Em um primeiro momento da pesquisa, foram reunidas as planilhas que a Prefeitura de Maragogi dispunha com informações sobre os meios de hospedagem da cidade. Ao todo, estavam listados cerca de 30 estabelecimentos (somando-se zona urbana e não urbana) e havia discrepância de dados entre uma planilha e outra, tais como endereços que não existiam, razão social sem identificação, estabelecimentos identificados pelo nome do proprietário e sem nome fantasia, dentre outras. (VEJA NOTA DE ESCLARECIMENTO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE TURISMO, AO FINAL DA POSTAGEM).

Os envolvidos no estudo esperam que os dados agora disponíveis sirvam de marco para futuras projeções do setor e de motivação para que outros aspectos do inventário turístico sejam pesquisados, contribuindo para o desenvolvimento sustentável da atividade na região.

Eles esperam, ainda, que os envolvidos com o setor turístico usem essas informações no planejamento de novos empreendimentos e/ou na criação de produtos turísticos, observando o que já existe e o potencial inexplorado.

Um dado elementar, e que até a conclusão da pesquisa não existia oficialmente, se refere à localização precisa dos meios de hospedagem, à quantidade e o tipo de meios legalmente constituídos, assim como a quantidade de leitos por eles disponibilizados.

Havia, na verdade, uma discrepância entre as informações expostas no Cadastur, nas Secretarias de Turismo, de Finanças e nos portais de busca. Em resposta a essa carência, foram elaborados dois projetos, diferenciados pela área territorial de abrangência, mas unidos em torno de um objetivo maior: conhecer os meios de hospedagem existentes hoje em Maragogi.

“Com essas informações encerramos a apresentação e discussão dos dados coletados e que agora compõem um conjunto de informações obtido por meio de uma pesquisa científica e que, esperamos, sirva de base para outros estudos que complementem o inventário turístico da cidade de Maragogi”, escreveu Álvaro Francisco, na conclusão do trabalho.

Fora da área urbana

Uma das pesquisas teve por objetivo identificar e descrever os meios de hospedagem localizados fora da zona urbana da cidade, ou seja, da fronteira de Pernambuco com Alagoas até a primeira entrada da cidade de Maragogi e da ponte sobre o Rio Maragogi até o final dos limites do município, totalizando 18,4 km.

O trabalho, de natureza descritiva, foi realizado por meio de pesquisa bibliográfica sobre a área turística e hoteleira; e de campo, feito de fevereiro a abril de 2018, percorrendo todo o território da área delimitada em busca dos meios de hospedagem.

Resumidamente, esses são os dados levantados da área não urbana:

  • Foram identificados 29 meios de hospedagem, agora com endereço atualizado e georreferenciados;
  • A maior parte tem endereço na Praia de Peroba (27,58%) e, na sequência, vem os 17,24% que estão em Barra Grande;
  • Os 29 meios têm, somados, 1175 UHS’s e 2855 leitos;
  • Na região não urbana, observou-se uma predominância de pousadas com até 10 UH’s (41,37%), seguidas por pousadas com 11 a 30 UHS’s (31,03%), o que representa um índice de mais de 70% de Pousadas com até 30 UH’s;
  • Identificou-se, também, que os dois resorts da cidade (Grand Oca e Salinas) e único hotel fazenda (Marrecas) estão na zona não urbana, o que se justifica pelo espaço que esses empreendimentos ocupam, especialmente com suas áreas de lazer e de contato com a natureza; e, no caso dos resorts, de vários blocos com UH’s;
  • Os dois resorts juntos têm 516 UH’s e 945 leitos;
  • Apesar desses números dos resorts, tem-se uma maior quantidade de UH’s e leitos da zona não urbana de Maragogi concentrada nas pousadas e hotéis, os quais, somados, têm 659 Uh’s (56,08%) e 1910 leitos (66,9%);
  • 100% dos meios mapeados aceitam várias formas de pagamento, tais como dinheiro, cartões de crédito e de débito e transferência bancária;
  • Um percentual considerável, 66% tinham, na época da coleta, registro no Cadastur, mas um bom número ainda atua na informalidade junto ao Ministério do Turismo;

Dentro da área urbana

Esta pesquisa, especificamente, foi realizada com o intuito de descrever e identificar os meios de hospedagem situados em todo perímetro urbano de Maragogi. O trabalho se deu por meio de pesquisa bibliográfica, sobre a área turística e hoteleira; e de campo, feito de fevereiro a abril de 2018, percorrendo-se todo o território da zona urbana de Maragogi em busca dos meios de hospedagem.

Maragogi tem, na sua área urbana, predominantemente, meios de hospedagem de pequeno porte, que oferecem uma hospedagem com diária com café da manhã incluso e itens de conforto padrão no quarto, tais como: ar-condicionado tipo split; cama padrão, banheiro privado e acesso à internet. Ainda conforme a pesquisa, as áreas de lazer são poucas e a oferta apenas do café exige que o hóspede procure outros ambientes para diversão e alimentação.

Resumidamente, esses são os dados levantados da área urbana:

  • Foram 42 meios de hospedagem inventariados, com endereço físico; cadastrado e localização georreferenciada;
  • Eles possuem 645 UH’s com 1530 leitos, ao todo;
  • Há uma concentração de meios na área de praia urbana;
  • Tem-se uma predominância de meios do tipo pousada, com até 15 UH’s (69,04%);
  • A maioria trabalha apenas com a diária com café da manhã (85,7%) e apenas 11,9% tem restaurante próprio, onde pode fornecer outras refeições;
  • 33,3% oferecem piscina como área de lazer;
  • 90,47% têm quartos com ar-condicionado split e 95,23% com banheiro privado;
  • O acesso à internet é gratuito em todos os ambientes de 90, 47% dos meios pesquisados

ESCLARECIMENTO

A Secretaria Municipal de Turismo esclareceu ao Blog Costa dos Corais que possui dados e informações dos principais meios de hospedagem, bares e restaurantes instalados no município de Maragogi, totalizando cerca de cinco mil leitos identificados e catalogados, ao contrário do que apontou a pesquisa.

Ainda segundo a Secretaria Municipal de Turismo, esses dados são atualizados anualmente.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s