Navegar é preciso

Pôr do sol 03
Pôr do sol na foz do Rio Manguaba (Foto: Severino Carvalho)

Esperar nunca é bom. A travessia de balsa do Rio Manguaba, entre Porto de Pedras e Japaratinga, nos compele a exercitar a paciência. O serviço deixa a desejar, é medonho às vezes, sobretudo em dias de grande movimento como nos feriadões. Filas e mais filas de veículos se formam nas duas margens, à espera do embarque.

Uns defendem a construção de uma ponte no local, outros são contrários à obra; acreditam que o isolamento é capaz de conservar aquele pedaço de paraíso, do outro lado do rio: Porto de Pedras, São Miguel dos Milagres e Passo do Camaragibe, com suas praias semi-desertas.

Polêmica e impaciência à parte, o certo é que a travessia de balsa nos dar a oportunidade de contemplar a natureza. Cansado, voltando para casa depois de um dia inteiro de entrevistas na Rota Ecológica, fui contemplado com um pôr do sol magnífico.

A luz branda do astro-rei se escondendo no horizonte, por trás da linha do coqueiral, lançava tintas na tela celeste. À minha direita, o caudaloso Manguaba se encontrava com o mar: águas salobras, singradas pelo barquinho vigiado do alto pelo farol de Porto de Pedras. Do outro lado da margem, já em terra firme, cheguei à conclusão de que, às vezes, esperar é preciso; correr, não é preciso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s